Sélectionner une page

A prisão é um espaço onde mulheres e homens se reúnem que devem viver entre quatro paredes uma vida de grande promiscuidade. Nunca se pensa (ou raramente) da prisão como um coletivo ou comunidade, exceto, de forma negativa, para evocar motins ou comunitarismo religioso ou político. As interações com que as pessoas no interior também são tratadas mais frequentemente no modo de confrontação do que colaborativamente. A prisão reúne indivíduos cujo ponto comum é viver um tempo de prisão imposto para uma hipotética reintegração. Pede-se ao detido que olhe para si próprio numa alteração dinâmica e, por outro lado, o seu olhar para além das muralhas considere com serenidade o seu regresso ao mundo. É como se a soma das individualidades que a prisão compõe não tivesse um significado coletivo. A prisão é outra coisa que não um monte de indivíduos? Pode gerar uma dinâmica coletiva positiva?

O sistema prisional francês parece, com medo do debate e do discurso comum, manter o individualismo de cada um que coloca num problemático frente-a-frente com a justiça, a administração e, de um modo mais geral, com o outro, seja lá o que for. Dentro do sistema, os papéis de cada um estão bem definidos, mas a sua especificidade não deve induzir fronteiras estanques onde cada bloco está unido contra o outro. A recente crise de saúde permitiu que supervisores, bem como reclusos, olhassem de novo uns para os outros. O inimigo já não era o guarda ou o recluso, mas a doença. Uma união implícita nasceu contra o COVID 19 e todos se sentiram mais ou menos unidos nesta luta.

A prisão continua a ser um local de confinamento forçado e, certamente, uma comunidade sofrida. Além disso, nos Dias Nacionais de Prisão, gostaríamos de explorar as dinâmicas comunitárias positivas que a prisão pode ou pode gerar. Não queremos justificar a prisão como um único meio de lidar com a delinquência e o crime, mas dizer que nem todos os rostos que ela encerra traçam os contornos de uma pessoa indiferenciada que tem a cara do monstro ou do asocial. As múltiplas individualidades que confina vivem, sofrem, resistem, trabalham desenhando linhas cujas trajetórias mais frequentemente escapam a qualquer categorização. São estas linhas que esboçam sinergias explícitas ou implícitas, afiliações, agrupamentos e até fraternidades e irmandades. Todos estes esboços de organização não requerem necessariamente ser institucionalizados, alguns são perenes, outros efémeros. Falam da necessidade de autodeterminação e cooperação para responder à necessidade universal de ligação social. Como pode uma comunidade dentro das paredes preparar-se para integrar a comunidade lá fora quando tem as suas próprias regras?

A prisão é usada para gerir as marginalidades da nossa sociedade: pobreza, doença, loucura. É um reflexo distorcido da sociedade exterior, é um concentrado de miséria. Por conseguinte, não se pode argumentar que a empresa que produz é automaticamente o início de uma futura integração. Pelo contrário, se a sociedade quer que a comunidade prisional crie uma dinâmica positiva de resocialização, deve considerá-la como uma realidade em si mesma e não como uma projeção teórica de um desejo normativo. O fracasso de muitas políticas de reintegração decorre frequentemente do facto de cada um de nós avaliar a sociedade interna como necessariamente tendo de ser perfeitamente inteligível pela sociedade externa. Este conjunto de espelhos distorce assim a perceção do interior e, em especial, a atenção dada aos homens e mulheres detidos.

Grupos, formados ou não, afirmam uma língua que deve ser aceite para não ser compreendida à partida. Este tema das Jornadas Nacionais visa explorar a dinâmica interna e mostrar a sua riqueza. Este tema também daria razão aos pequenos gestos do quotidiano quando dizem que a recusa da infantilização prisional, para dar razão àqueles que, dentro das paredes, têm coisas para partilhar, para dar razão àqueles que pensam que um coletivo de reclusos não é a antecâmara de um motim.

Este tema permitiria que os que estavam lá fora não olhassem para a prisão. A uniformidade e o cinzão das paredes não refletem a pouco conhecida diversidade do interior.

Mensagem tema FARAPEJE.